quinta-feira, 24 de setembro de 2009

politica portuguesa- antes e depois

''ANTES DA POSSE
O nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que
a honestidade e a transparência são fundamentais.
para alcançar os nossos ideais
Mostraremos que é uma grande estupidez crer que
as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que
a justiça social será o alvo da nossa acção.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que
se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumirmos o poder,faremos tudo para que
se termine com os marajás e as negociatas.
Não permitiremos de nenhum modo que
as nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos os nossos propósitos mesmo que
os recursos económicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a nova política.

DEPOIS DA POSSE
Leiam o mesmo texto,
DE BAIXO PARA CIMA''
recebido por e.mail

sábado, 18 de julho de 2009

quarta-feira, 15 de julho de 2009

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Uma pequenina luz

Uma pequenina luz bruxuleante
não na distância brilhando no extremo da
estrada
aqui no meio de nós e a multidão em volta
une toute petite lumière
just a little light
una picolla... em todas as línguas do mundo
uma pequena luz bruxuleante
brilhando incerta mas brilhando
aqui no meio de nós
entre o bafo quente da multidão
a ventania dos cerros e a brisa dos mares
e o sopro azedo dos que a não vêem
só a adivinham e raivosamente assopram.
Uma pequena luz
que vacila exacta
que bruxuleia firme
que não ilumina apenas brilha.
Chamaram-lhe voz ouviram-na e é muda.
Muda como a exactidão como a firmeza
como a justiça.
Brilhando indefectível.
Silenciosa não crepita
não consome não custa dinheiro.
Não é ela que custa dinheiro.
Não aquece também os que de frio se juntam.
Não ilumina também os rostos que se curvam.
Apenas brilha bruxuleia ondeia
indefectível próxima dourada.
Tudo é incerto ou falso ou violento: brilha.
Tudo é terror vaidade orgulho teimosia: brilha.
Tudo é pensamento realidade sensação saber:
brilha.
Tudo é treva ou claridade contra a mesma
treva: brilha.
Desde sempre ou desde nunca para sempre ou
não:
brilha.
Uma pequenina luz bruxuleante e muda
como a exactidão como a firmeza
como a justiça.
Apenas como elas.
Mas brilha.
Não na distância. Aqui
no meio de nós.
Brilha.

Jorge de Sena, in Rosa do Mundo - 2001 Poemas para o futuro,Assirio & Alvim

segunda-feira, 11 de maio de 2009

segunda-feira, 4 de maio de 2009

A Justiça no cinema

A AJP em parceria com a Direcção Regional Norte da ASJP e com o apoio
da Medeia Filmes vai organizar todas as quartas-feiras do mês de Maio,
pelas 21H30 mais uma edição do ciclo "A Justiça no cinema".
Programa:
1. Billy Wilder, Witness for the Prosecution / Testemunha de Acusação, 1957 (drama
clássico de tribunal) – 6 de Maio;
2. Nani Moretti, Il Caimano / O Caimão, 2006 (corrupção) – 13 de Maio;
3. Andrea Arnold, Sinal de Alerta / Red Road, 2006 (videovigilância) – 20 de Maio;
4. William Karel, La Fille du juge / A Filha do Juiz, 2006 (documentário inédito em
Portugal sobre juiz que julgou casos de terrorismo) – 27 de Maio.
No final de cada exibição será realizado um debate com a participação de convidados que
exploram a temática do filme nas suas diversas vertentes promovendo também a
participação do público.
Local:- Cine-estúdio do Teatro do Campo Alegre,Porto.

O Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto vai realizar nos dias 20 e 21 de Maio de 2009, na Escola de Direito do Porto da Universidade Católica, sita na Rua Diogo Botelho, nº 1327, o VI Ciclo de Conferências subordinado ao tema “Transportes Públicos e Arbitragem Institucional”.

sábado, 2 de maio de 2009

'Em momentos assim,deliciava-se com a ideia de que os livros podiam falar,ganhavam vida e autonomia.Então compreendia que o seu amor por aqueles objectos, graças aos quais agora vivia e dos quais obtivera ao longo dos anos uma felicidade diferente de todas as outras modalidades possíveis de felicidade, era uma das coisas mais importantes da sua vida,na qual cada vez restavam menos coisas importantes,e começou a contabilizá-las:a amizade,o café,o cigarro,o rum,fazer amor de vez em quando - ai,Tamara,ai,Ava Gardner - e a literatura.E os livros,claro,adicionou no final.'
Mario Conde, ex-tenente da polícia de investigação de Cuba,escritor e alfarrabista, in 'Adeus Hemingway',de Leonardo Padura Fuentes,edições asa,2002.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

"Singularidades de uma Rapariga Loira"


Realizado por Manoel de Oliveira, "Singularidades de uma Rapariga Loira", estreia no próximo dia 30.04, é inspirado num conto de Eça de Queirós,pode ser lido aqui.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

4.ª edição do Literatura em Viagem


Programa:

Dia 18

Ateliê Uma história nas asas de um avião, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 11

Conferência de abertura e lançamento do n.º 2 da revista Itinerâncias, no Salão Nobre C.M. Matosinhos, às 15

Ateliê Uma história nas asas de um avião, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 16

1ª Mesa: Escrever a Guerra, com António Brito, Carlos Vaz Ferraz, Henrique Levy, Luís Castro e Manuel Alberto Valente (moderador), na Galeria Municipal, às 16 e 30

Lançamento dos livros Cisne de África, de Henrique Levy (Livros de Seda), e A Ofensa, de Ricardo Menéndez Salmón (Porto Editora), na Galeria Municipal, às 18

2ª Mesa: Poética da Viagem, com Filomena Marona Beja, José Jorge Letria, Miguel Real e Romana Petri. na Galeria Municipal, às 18 e 30

Inauguração da exposição Sobre el Mar, de Nacho Salorio, na Galeria Municipal, às 20

Dia 19

Recital de piano por Raul Peixoto Costa, no Salão Nobre da C.M. Matosinhos, às 11

Lançamento do Livro Leça da Palmeira e o Rio Leça nas Artes, nas Letras e nas Ciências – Indiciário Onomástico, de Albano Chaves e António Mendes (C. M. Matosinhos/Edium-Editores), no Salão Nobre da C.M. Matosinhos, às 12

Lançamento dos livros Com cheiro a canela, de Alice Vieira (Texto/Leya), e As cidadãs, de Filomena Marona Beja (Sextante), na Galeria Municipal, às 15

3ª Mesa: Viajar para Contrariar a Monotonia, com Ricardo Menendez Salmón, Julieta Monginho, Francisco José Viegas, Cristina Carvalho e José Carlos de Vasconcelos (moderador), na Galeria Municipal, às 15 e 30

Ateliê Uma história nas asas de um avião, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 16

Lançamento dos livros Para Lá da Terra de Fogo, de Eduardo Belgrano Rawson, Cabeça a Prémio, de Marçal Aquino, Os Suicidas do Fim do Mundo, de Leila Guerriero, Três Lindas Cubanas, de Gonzalo Celório, e O Velho Expresso da Patagónia, de Paul Theroux (todos da Quetzal), na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 17

4ª Mesa: Ler o mundo, viajando, com Paul Theroux, Renzo Sicco, Isabel da Nóbrega, Isabel d’Ávila Winter e José Mário Silva (moderador), na Galeria Municipal, às 17 e 30

Concerto Sons da Fala, com Sérgio Godinho (voz e guitarra), Vitorino (voz), Janita Salomé (voz), Tito Paris (voz e guitarra), Don Kikas (voz e guitarra), Guto Pires (voz), Luanda Cozetti (voz), Juka (voz) e André Cabaço (voz), no Cine Teatro Constantino Nery, às 22

Dia 20

Ateliê Uma história nas asas de um avião, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 11

Lançamento do livro A casa da praia do açúcar, de Helene Cooper (QuidNovi), na Galeria Municipal, às 15

5ª Mesa: A Viagem é a Minha Memória, com Alice Vieira, Leila Guerriero, Gonzalo Celorio, Miguel Miranda e Carlos Daniel (moderador), na Galeria Municipal, às 15 e 30

Ateliê Uma história nas asas de um avião, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 16

Lançamentos dos livros Vozes do vento, de Maria Isabel Barreno (Sextante), O assassinato de Berta Linhares, de Jacinto Rego de Almeida (Sextante), e Obama em Guantanamo: a nova segurança americana, de Nuno Rogeiro (Sextante), na Galeria Municipal, às 17

6ª Mesa: Viajar é um acto sensual em todos os sentidos, com João Tordo, Joaquim Teixeira de Sampaio, Santiago Roncagliolo, Christiane Tassis e Jacinto Rego de Almeida (moderadora), na Galeria Municipal, às 17 e 30

Dia 21

Ateliê Uma história nas asas de um avião, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 11

Lançamento do livro Ronda Filipina, de César Magarreiro (Teorema), na Galeria Municipal, às 15

7ª Mesa: Existe um Limite para o que a Viagem pode exprimir, com César Magarreiro, Eduardo Belgrano Rawson, João Luís Barreto Guimarães, Júlio Moreira e Álvaro Costa (moderador), na Galeria Municipal, às 15 e 30

Ateliê Uma história nas asas de um avião, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, às 16

Lançamento do livro Portugal no Mar – Homens que foram ao Bacalhau, coordenado por Álvaro Garrido (Campo das Letras), na Galeria Municipal, às 17

8ª Mesa: Viajar é preciso, com Marçal Aquino, Richard Zimmler, Luís Sepúlveda, Helene Cooper, José Luís Peixoto e José Medeiros Ferreira (moderador), na Galeria Municipal, às 17 e 30 .

sexta-feira, 10 de abril de 2009

domingo, 1 de março de 2009

Conferência - "Direito, Ética e Cidadania"

O Conselho Distrital do Porto, juntamente com a Associação Sindical de Juízes Portugueses, Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, Associação Jurídica do Porto e Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, realiza nos próximos dias 6 e 7 de Março, no Museu Nacional Soares dos Reis as Conferências “Direito, Ética e Cidadania”.
Programa
Ficha de Inscrição

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

«Existe uma pintura de mulher mais bela do que a Origem do Mundo, do Gustave Courbet?»Interroga-se Rufus ,no Diário de um fescenino, de Rubem Fonseca.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Estou a ler um livro de Thomas Bernhard, chamado « O náufrago». A fls 40 o narrador fala do socialismo do seu país, a Austria, com uma frase que, me lembra um outro país,deste modo:

«Não há palavra que se tenha tornado para mim mais repugnante do que a palavra socialismo quando penso o que fizeram desse conceito.Por toda a parte se depara com este ignóbil socialismo dos nossos ignóbeis socialistas, que utilizam o socialismo contra o povo e que, com o correr do tempo,lhe conferiram a mesma sordidez que os caracteriza a eles próprios. Em toda a parte, para onde quer que volvamos a vista, lá está esse funesto e sórdido socialismo, lá o sentimos, tudo está impregnado dele.»

domingo, 15 de fevereiro de 2009

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

As alterações ao Código do Trabalho: Análise crítica do seu fundamento e impacto na relação individual de trabalho

A Delegação de Matosinhos da Ordem dos Advogados realizará no dia 18 de Fevereiro, pelas 18h00, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Matosinhos, uma Conferência subordinada ao tema “As Alterações ao Código do Trabalho: Análise Crítica do seu Fundamento e Impacto na Relação Individual de Trabalho”, em que será oradora a Sra Dra. Luísa Lopes e moderador o Sr Dr. Cunha do Vale.

Conferência

No próximo dia 20 de Fevereiro (sexta-feira), pelas 17h30, realizar-se-á uma Conferência, subordinada ao tema "A (pretensa?) Reforma da Acção Executiva)", no Auditório da Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira. Será oradora a sr.a Dr.a Elizabeth Fernandez, docente na Escola de Direito da Universidade do Minho.

Cfr.DL nº 226/2008,de 20.11, entra em vigor em 31 de Março de 2009

Novo Código do Trabalho



Foi publicado o novo Código do Trabalho,

Cãntico negro

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

sagacidade

Cfr. comentário a este texto do Sr Juiz Desembargador Francisco Bruto da Costa, que,com a devida vénia, reproduzo:

«Não sabia que "A lei admite expressamente a realização de buscas a escritórios de advogados, desde que autorizadas pelo juiz de instrução e fundamentadas na suspeita de ali se encontrarem objectos relacionados com crimes ou que possam servir de prova" (releve-se-me a ignorância, há mais de 20 anos que não trabalho com Direito Criminal).
Só posso entender tal norma se o próprio Advogado for suspeito de um crime
Se assim não for, então tenho de concluir que o Estado português deixou de ser um Estado de Direito.
Porque, na minha opinião e enquanto Juiz, me parece perfeitamente razoável que num Estado de Direito os Advogados tenham nos seus escritórios elementos porventura incriminadores dos seus clientes sem que tal facto postule uma devassa judicial.
Na minha perspectiva, o Advogado é padre, irmão, pai e Juiz do seu cliente, tem de o avaliar até ao tutano, tem de conhecer ao mais ínfimo detalhe todos os dados da questão que o cliente lhe coloca - para isso tem de conhecer detalhes confidenciais, porventura comprometedores, que só o cliente lhe pode revelar e que não têm que ser revelados à autoridade que investiga o crime.
Tais detalhes estão resguardados pelo sigilo profissional, que na advocacia tem um relevo incontornável - e, digo eu, muito estimável, porque é a minha garantia, enquanto cidadão, de que o meu Advogado amanhã não vai ser incomodado só porque é meu Advogado e eu estou acusado de algum crime.
Se existe alguma disposição legal que ponha isto em causa, então o ilustre Bastonário da OA, em vez de andar para aí a clamar contra o "terrorismo de Estado" já devia ter dado entrada a um pedido de inconstitucionalidade da mesma, levantando a questão em todas as instâncias políticas e judiciais.
É que isso, nem no tempo do fascismo: antes do 25 de Abril a PIDE não invadia os escritórios dos Advogados defensores dos presos políticos porque mesmo em tempos de ditadura pura e dura se proporcionava à advocacia o exercício digno de uma defesa digna (com algumas lamentáveis excepções que deram brado na época e que aqui seria ocioso chamar à colação).
Faço questão de que todos os Advogados e cidadãos que lerem estas linhas tenham a consciência de que há muitos Juízes que pensam como eu.
A advocacia não é uma excrecência desnecessária: é, pelo contrário, um pilar essencial dom Estado de Direito.
E mais não digo - sem ser na presença do meu Advogado !
Francisco Bruto da Costa

05.Fevereiro.2009»

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Reorganização judiciária

Foi hoje publicado em Diário da República, o Decreto-Lei n.º 25/2009, de 26.01, que procede à reorganização judiciária das Comarcas piloto do Alentejo Litoral, Baixo Vouga e Grande Lisboa-Noroeste.


Cfr, Lei n.º 52/2008, de 28.08, (Lei de Organização e Funcionamento dos Tribunais Judiciais - LOFTJ).

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Cent phrases pour éventails

Tu
Chamas-me Rosa
diz a Rosa
mas se tu soubesses
o meu verdadeiro nome
logo eu
me desfolharia

Paul Claudel

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Gaza

''O que mais se tem visto e lido em relação ao actual conflito em Gaza são atitudes entrincheiradas atrás de muros de palavras e ideias, incapazes de vislumbrar no "outro" uma réstia de motivo ou humanidade(...) É fácil ter ideias claras e a preto e branco sobre o que se passa em Gaza sentado diante da TV, vendo o que se quer ver e fechando os olhos ao resto.'' M.António Pina,JN.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Não tenho grande fé de encontrar-te...

Não tenho grande fé de encontrar-te

na vida eterna.

Era já problemático falar-te

na terrena.

A culpa é do sistema das comunicações.

Descobrem-se muitas mas não aquela

que tornaria ridículas,e até inúteis,

as outras.

«Nom ho molta fiducia d'incontrarti...»poesie disperse (1980)

Eugenio Montale